Luke Knepper: Especialista em Sistemas

Lucas Knepper

Luke Knepper, especialista em sistemas, reflete sobre seu primeiro ano na TRS e sua interessante experiência trabalhando em um local de projeto perto do Pólo Norte no auge do inverno.

Posição: Especialista de Sistemas II

Locação: Missoula, Montana

TRS Funcionário-Proprietário Mês e Ano de Início: 2021 de Abril

Especialidades: Construção; operações; Gerenciamento de Projetos

Certificações: EMT, Bombeiro II

Grupo TRS: De que coisa você mais se orgulhou durante seu tempo no TRS?

Lucas Knepper: A vida do Projeto da Base Aérea de Eielson. Foi-me entregue esse projeto logo no início. Houve muitas complicações sendo baseado no Alasca. O local poderia muito bem estar em uma ilha. Entre o COVID e ser tão remoto, havia muitos obstáculos, então obter os resultados bem-sucedidos que obtivemos foi espetacular. Levar uma pilha de solo a 480 graus Celsius no meio do inverno, quando estava negativo 48 graus Fahrenheit lá fora, era um empreendimento.

TRS: Como foi trabalhar nessas condições?

Luke: Fazia calor no verão, insetos no outono e muito frio no inverno. Você só precisa se preparar para isso e estar constantemente na ponta dos pés. Você tem que tomar seu tempo e manter as precauções de segurança em primeiro plano e manter tudo em ordem.

Quando estava 48 negativo lá fora, você ia lá e trabalhava por 20 minutos e entrava para se aquecer um pouco. A segurança ambiental era uma grande parte das operações – estar ciente de que, se você ficasse lá por muito tempo, poderia ter um problema em potencial.

TRS: Você já trabalhou em um site em circunstâncias tão extremas?

Luke: Eu trabalhei em alguns sites no verão que eram extremamente quentes. Trabalhei em um local de aquecimento por resistência elétrica (ERH) na Califórnia que fazia 110 graus à 1 da tarde. Você só trabalha um pouco, faz pausas e bebe muita água. O trabalho tem que ser feito, então você faz o que pode, quando pode, o melhor que pode, mantendo a segurança primordial.

TRS: Então, o que você prefere – muito frio ou muito quente?

Luke: Frio porque você sempre pode colocar mais roupas. Quando está muito quente, você não consegue tirar o suficiente – você seria preso.

TRS: Quanto tempo você esteve no site Eielson?

Luke: julho do ano passado até fevereiro deste ano. Além disso, estarei lá novamente por algumas semanas em junho para a desmobilização.

TRS: Houve momentos em que você era a única pessoa no local?

Luke: Sim, implementamos a política do “trabalhador solitário”. Eu tive que entrar em contato com Patrick (Joyce, Gerente de Projetos) ou Lynette (Stauch, Gerente de Projetos Sênior) em um cronograma acordado.

Quando estávamos fazendo algo um pouco mais técnico, eu fazia check-in a cada meia hora. Se eu estivesse indo para fora, eu mandaria uma mensagem para dizer que estava indo para fora no tempo frio.

Fizemos isso funcionar para que eu estivesse o mais seguro possível.

Luke Knepper usa um trado manual para coletar uma amostra de um estoque de solo carregado de PFAS na Base Aérea de Eielson em Fairbanks, Alasca, em dezembro de 2021. O TRS removeu com sucesso o PFAS no estoque abaixo dos limites de detecção usando aquecimento por condução térmica (TCH).

TRS: Qual é o aspecto mais satisfatório do seu trabalho?

Luke: Gosto da complexidade, assim como da simplicidade, do que fazemos, se isso faz sentido. Entrando no local, as primeiras botas no chão e as últimas botas fora. Saber que ajudei a cumprir os objetivos e, em última análise, concluir o projeto com resultados positivos é o que mais gosto.

Construir o equipamento, executá-lo, desmontá-lo e levá-lo ao próximo local é o que acho satisfatório.

 

TRS: O que o atraiu na área de remediação ambiental?

Luke: Não sei se é uma história que você quer escrever, mas aqui vai.

Sou maquinista com experiência em construção de máquinas, além de combate a incêndios e construção. Conheci um cara em um bar que trabalhava para outra empresa ambiental. Nós apenas começamos a conversar e nos demos bem.

A certa altura, comecei a procurar uma carreira diferente, um emprego diferente e ele achou que eu era uma boa opção.

Com toda a minha experiência e formação, meio que se prestou ao campo ambiental.

Mas sim, tudo começou em um bar.

TRS: Tudo bem, então nos dê a história então.

Luke: A história toda é que me mudei de Chicago para Montana porque minha família queria uma mudança de vida. Naquela época, encontrei um emprego como gerente de loja em uma oficina mecânica em Kalispell, Montana.

Eu estava assistindo aos playoffs da NHL em um bar local. Foi aí que conheci o cara que finalmente me contratou.

Foi o Chicago Blackhawks contra o Boston Bruins na final da Stanley Cup, a propósito. Os Falcões Negros venceram. Vai Falcões!

De qualquer forma, estávamos conversando sobre a vida em geral, quais eram minhas habilidades, o que ele fez, onde esteve e o que eram as limpezas ambientais. Depois de alguns meses e quem sabe quantas bebidas ele encontrou um lugar para mim na empresa. Então, sim, minha carreira ambiental começou em um bar.

Luke tirou esta foto da aurora boreal acima do local de trabalho da Base Aérea de Eielson.
Luke tirou esta foto da aurora boreal acima do local de trabalho da Base Aérea de Eielson.

TRS: Então, você está aqui há mais de um ano. Qual a sua impressão do TRS?

Luke: Estou extremamente feliz com o TRS. Eu trabalhei principalmente com a equipe da Costa Oeste, e todos são incríveis. Eu realmente gosto de trabalhar com toda a equipe TRS, mas Patrick, Lynette, Brad (Morris, Gerente de Serviços de Campo), Nathan (Fehrman, Técnico de Construção) e os irmãos Riffe (Jeff, John e Kevin Riffe, todos gerentes de serviços de campo) isso para o próximo nível. 

Acho que a empresa como um todo tem uma base muito forte. Todos temos espaço para crescer, oportunidades para expandir e ao mesmo tempo aprender uns com os outros.

Estamos forçando novos limites e novas tecnologias, como PerfluorAd para remoção de AFFF.  

TRS sendo um ESOP e o fato de sermos propriedade de funcionários é incrível. Isso nos dá um pouco mais de opinião sobre onde a empresa vai. Não somos apenas drones em segundo plano – estamos realmente fazendo o trabalho e sendo ouvidos.

É uma ótima empresa. Estou em êxtase e estou ansioso para ir trabalhar todos os dias. 

Eu gosto da parte de viajar do trabalho. Eu posso ver lugares diferentes como o Alasca e a Califórnia. Eu gosto da vida de guerreiro da estrada. Posso voltar para casa e passar algum tempo de qualidade em Montana com minha família.

TRS: Você está focado na remoção de PFAS?

Luke: Acho que acabei de entrar nisso. Não é algo em que eu me especialize. Quando cheguei ao TRS eu tinha experiência em aquecimento por condução térmica (TCH) e aquecimento por resistência elétrica (ERH).

Acho que o momento estava certo com a minha personalidade de falhar não é uma opção, pensar fora da caixa conforme necessário, meu histórico de trabalho e a data de início de Eielson. Lynette precisava de alguém, e eu queria me provar. Ela tinha fé que eu tinha as habilidades para fazer o trabalho.

Chinese (Simplified)DutchEnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish
Precisa de uma estimativa

Precisa de uma estimativa?

Entre em contato hoje